quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Na vitória real


"Tende bom ânimo; eu venci o mundo."
-
Jesus (JOÃO 16:33)
É importante enumerar algumas das circunstâncias difíceis em que se encontrava
Jesus, quando asseverou perante os discípulos: "tende bom ânimo; eu venci o mundo".
Ele era alguém que, na conceituação do mundo, não passava de vencido vulgar.
Sabia-se no momento de entrar em amarga solidão.
Confessava que fora incompreendido pelos homens aos quais se propusera servir.
Não ignorava que os adversários lhe haviam assaltado a comunidade em formação,
através de um amigo invigilante.
Dirigia-se aos companheiros, anunciando que eles próprios seriam dispersos.
Falava, sem rebuços, da flagelação de que seria vítima.
Via-se malquisto pela maioria, perseguido, traído.
Não desconhecia que lhe envenenavam as intenções.
Certificara-se de que as pessoas mais altamente colocadas eram as primeiras a
examinar o melhor processo de confundi-lo.
Percebera o ódio de que se tornara objeto, principalmente por parte daqueles que
pretendiam açambarcar o nome de Deus, a serviço de interesses inferiores.
Reconhecia-se a poucos pass os da morte, a que se inclinaria, condenado sem
culpa.
Entretanto ele dizia: "tende bom ânimo; eu venci o mundo".
Quanto te encontres em crise, lembra-te do Mestre.
Subjugado, seria o conquistador inesquecível.
Batido, passaria à condição de senhor da vitória.
Assim ocorre, porque os construtores do aperfeiçoamento espiritual não estão na
Terra para vencer no mundo, mas notadamente para v encer o mundo, em si mesmos, de
modo a servirem ao mundo, sempre mais, e melhor.

atenciosamente

Centro Espírita Kardecista no Caminho da Luz

Repasse aos seus familiares e amigos

Frequente o Seu Centro Espírita

Nenhum comentário:

Postar um comentário