quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Substituido velhas frases.



Antes de dizer não ao chamado do trabalho espírita com o qual se comprometeu, reflita sobre suas atividades cotidianas, à luz do sábio ditado popular: quando queremos, sempre arranjamos um jeito; quando não queremos, sempre encontramos uma desculpa.

Portanto, no lugar de dizer: não tenho tempo, diga: priorizando tarefas sei que estarei lá.
Ao invés de pensar: estou cheio de trabalho, diga: que bom que Deus me permitiu mais uma oportunidade de serviço.
No lugar de dizer: tenho um aniversário para ir, diga: depois da minha tarefa irei abraçar o aniversariante.
No lugar de dizer: o lazer me espera, diga: o fazer me chama
Na tentação de argumentar: meu filho vem me visitar, diga: vou visitar os filhos do meu coração, na volta abraçarei o filho da minha alma.
Se é dia das mães, Finados, Carnaval, Semana Santa ou similares, não diga: é feriado, não haverá trabalho. No lugar disso, reforce: Eu trabalho e meu Pai trabalha sem cessar.
Se está chovendo, não dê a desculpa à sua consciência de que não vai ao Centro porque não tem um guarda-chuva. Ela não aceitará este argumento a não ser que esteja ocorrendo uma inundação e você não tenha uma canoa. Antes diga a si próprio: mesmo sabendo que iria morrer dolorosamente Jesus compareceu diante dos algozes.
Se um amigo o convidar para qualquer evento que o fará feliz, segundo o conceito mundano de felicidade, não diga a ele que o seguirá, mas agradeça-lhe o convite e explique-se: Tenho um compromisso inadiável com alguém mais importante que o governador. Se ele insistir em saber com quem você está comprometido, diga: com Jesus.
Se os amigos, a turma organizou uma festa em sua homenagem no dia de sua reunião mediúnica e exige sua presença, não diga: estou nessa! Seja fiel aos seus verdadeiros amigos, os espirituais, e responda com gentileza: Vou participar de um banquete neste mesmo horário. Se puderem esperar, comemoraremos juntos a alegria que este encontro me causa.
Mesmo que alguém muito amado lhe diga: Não vá! Você pode ser assaltado e morto. Responda: Se isso acontecer, já que estarei a caminho, comparecerei para trabalhar na condição de desencarnado.
Seja qual for o motivo que o leve a se afastar da casa espírita, este deve ser seriamente avaliado. O espírita deve ir além do senso comum e ter a certeza de que ele é que precisa do Centro Espírita, pois este sobreviverá com a sua ausência. Além do mais deve estar convicto de que o local mais fácil de ser encontrado pelos bons Espíritos é no trabalho.

Autor: Luiz Gonzaga Pinheiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário