quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Tente outra vez.



Ligeira pausa nas suas atividades habituais, reservando-a à observação do estado emocional do homem, oferecer-lhe-á uma visão, embora superficial, do estado que ora se vive na Terra.
Você notará que os indivíduos se agridem: através do olhar duro, das palavras rudes, dos gestos bruscos e dos golpes que desferem nas pugnas diretas.
Também perceberá a agressão mental contínua e sufocante que parte de todo lado.

* * * *

Você constatará o estado mórbido em que transitam as pessoas: mediante a angústia refletida na expressão facial, no verbo pessimista e nas atitudes sem motivação.
Igualmente, sentirá a irradiação deprimente que exteriorizam.
Você consignará a irritabilidade dos indivíduos: no rosto contraído, na conversação sincopada e nos movimentos contínuos, inquietantes.
Da mesma forma, anotará a onda mental agitada em que oscilam.

* * * *

Você descobrirá o egoísmo governando as almas: nos olhos interrogativos e suspeitosos, na comunicação reticenciada e no comportamento desconfiado.
Assim registrará a vibração de tormento íntimo que os tipifica na situação elegida.
Você surpreenderá o vício social dos seres: no semblante alterado, na linguagem perniciosa e nas ações descoordenadas.
Sem dúvida, se dará conta da psicosfera carregada de fluídos deletérios que os perturbam e infelicitam.

* * * *

Ninguém oculta o estado que cultiva.
Mente é força geradora de energia positiva ou negativa.
Cada qual se posiciona na faixa que melhor lhe agrada.
Por mais que se intente dissimular o real comportamento íntimo, este sempre trai o indivíduo, passando a manifestar-se com a intensidade com que a vida interior se expanda.

* * * *

A vida moderna constringe o homem, que se descontrola e, a seu turno, desequilibra a comunidade.
O apóstolo Paulo explicava, com justeza, que "nada há oculto que não seja revelado", como a significar, também, que o corpo e a vida sofrem os impactos que procedem do Espírito.
Viva em coerência com o Evangelho.
Adube a sua alegria com as vibrações de otimismo.
Evite comprometer-se mais.
Se caiu, levante-se e siga adiante.
Se está dependente de algum erro, rompa as algemas e recomece no bem.
Sempre é tempo. Tente outra vez.

Livro: Roteiro de Libertação
Por Marco Prisco & Divaldo P. Franco

Nenhum comentário:

Postar um comentário