quarta-feira, 5 de outubro de 2011

A alma


A Alma

Pergunta: O que é a alma?
Resposta dos Espíritos — Um Espírito encarnado.
Pergunta: O que era a alma, antes de unir-se ao corpo?
Resposta dos Espíritos — Espírito.
Pergunta: As almas e os Espíritos são, portanto, uma e a mesma coisa?
Resposta dos Espíritos — Sim, as almas não são mais que Espíritos. Antes de ligar-se ao corpo, a alma é um dos seres inteligentes que povoam o mundo invisível, e depois
reveste temporariamente um invólucro carnal, para se purificar e esclarecer.
Pergunta: Há no homem outra coisa, além da alma e do corpo?
Resposta dos Espíritos — Há o liame que une a alma e o corpo.
Pergunta: Qual é a natureza desse liame?
Resposta dos Espíritos — Semimaterial; quer dizer, um
meio-termo entre a natureza do Espírito e a do corpo. E isso é necessário, para
que eles possam comunicar-se. E por meio desse liame que o Espírito age sobre a
matéria, e vice-versa.
Comentário de Allan Kardec:  O homem é, assim, formado de três partes essenciais:
1°) O corpo, ou ser material, semelhante aos dos animais e animado pelo mesmo princípio vital;
2°) A alma. Espírito encarnado, do qual o corpo é a habitação;
3°) O perispírito. Princípio intermediário, substância semimaterial, que serve deprimeiro envoltório ao Espírito e une a alma ao corpo. Tais são, num fruto, a semente, a
polpa e a casca.

Pergunta: A alma é independente do princípio vital?
Resposta dos Espíritos — O corpo não é mais que o envoltório, sempre o repetimos.
Pergunta: O corpo pode existir sem a alma?
Resposta dos Espíritos — Sim; e não obstante, desde que o corpo deixa de viver, a alma o
abandona. Antes do nascimento não há uma união decisiva entre a alma e o corpo,
ao passo que, após o estabelecimento dessa união, a morte do corpo rompe os
liames que a unem a ele, e a alma o deixa. A vida orgânica pode animar um corpo
sem alma, mas a alma não pode habitar um corpo sem vida orgânica.
Pergunta: O que seria o nosso corpo, se não tivesse alma?
Resposta dos Espíritos — Uma massa de carne sem inteligência; tudo o que quiserdes, menos um homem.
A divergência de opiniões sobre a natureza da alma provém da aplicação particular que cada qual faz desse vocábulo. Uma língua perfeita, em que cada idéia tivesse a sua representação  por um termo próprio, evitaria muitas discussões; com uma palavra para cada coisa, todos se entenderiam.
Segundo uns, a alma é o princípio da vida orgânica material; não tem existência
própria e se extingue com a vida: é o puro materialismo. De acordo com esta
opinião, a alma seria um efeito e não uma causa.
Outros pensam que a alma é o princípio da inteligência, agente universal de que
cada ser absorve uma porção. Segundo estes, não haveria em todo o universo
senão uma única alma, distribuindo fagulhas para os diversos seres
inteligentes, durante a vida; após a morte, cada fagulha volta à fonte comum,
confundindo-se no todo, como os córregos e os rios retornam ao mar de onde
saíram. De acordo com esta opinião, a alma universal seria Deus e cada ser uma
porção da Divindade; é esta uma variedade do Panteísmo.
Segundo outros, enfim, a alma é um ser moral, distinto, independente da matéria e que conserva a sua individualidade após a morte. Esta concepção é incontestavelmente a mais comum, a idéia desse ser que sobrevive ao corpo se encontra em estado de crença instintiva, entre todos os povos, qualquer que seja o seu grau de civilização. Essa doutrina, para a qual a alma é causa e não efeito é a dos espiritualistas.
Sem discutir o mérito dessas opiniões e não considerando senão o lado lingüístico da questão, diremos que essas três aplicações da palavra alma constituem três idéias distintas, que reclamariam cada uma um termo diferente. Essa palavra tem, portanto,
significação tríplice, e cada qual está com a razão, segundo o seu ponto de
vista ao lhe dar uma definição; a falha se encontra na língua, que não dispõe
de mais de uma palavra para três idéias.
Para evitar confusões, seria necessário restringir a acepção da palavra alma a uma de suas idéias. Escolher esta ou aquela é indiferente, simples questão de convenção, e o que importa é esclarecer. Pensamos que o mais lógico é tomá-la na sua significação mais
vulgar, e por isso chamamos ALMA ao ser imaterial e individual que existe em nós e sobrevive ao corpo.
Seja como for, há um fato incontestável, pois resulta da observação: é que os seres orgânicos possuem uma força íntima que produz o fenômeno da vida, enquanto essa força existe; que a vida material é comum a todos os seres orgânicos, e que ela independe da inteligência e do pensamento; que a inteligência e o pensamento são faculdades próprias de certas espécies orgânicas; enfim, que, entre as espécies orgânicas dotadas de
inteligência e pensamento, há uma dotada de um senso moral especial que lhe dá
incontestável superioridade perante as outras, e que é a espécie humana.
Retirado do “Livro dos Espíritos” – Allan Kardec

Nenhum comentário:

Postar um comentário