sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Moeda e Vida


Ouviste dizer que essa ou aquela moeda de tuas possibilidades terá procedido das 
cogitações de um avarento; no entanto, ainda hoje conseguirás com ela atender a 
compromisso justo, ou, então, empregá-la a fim de recuperar a paz de algum 
companheiro que a necessidade vergasta. 

Noutras ocasiões, há quem afirme que os teus recursos monetários são remanescentes 
de esferas outras, nas quais o prazer enfermiço se demora gerando desvarios do 
pensamento, mas podes, de imediato, orientá-los no rumo do proveito geral, atenuando 
aflições ou secando lágrimas. 

*

Nunca te pronuncies, porem, contra o dinheiro. Aprendamos a respeitá-lo, usando-lhe 
os potenciais na lavoura do bem. 

*

Reflete e observarás que ele tem sido o instrumento silencioso de tua própria 
segurança. 

*

Efetivamente, não te fez o lar, porque o lar se ergue a preço de amor. Entretanto, 
ajudou a levantar as paredes e, a compor o teto da construção em que entreteceste o 
ninho domestico. Não criou o remédio que te garante a saúde, mas, comumente, é o 
estimulo de quantos operam no levantamento dos agentes que o formam, a benefício do 
teu equilíbrio orgânico. Não suscita sonhos de arte, todavia, ampara o gênio na execução 
da obra-prima. Não confere recursos técnicos ao campo da inteligência, mas o incentivo 
em que a industria se desenvolve e consolida. 

*

Dinheiro pode e deve ser a mola do progresso e a seiva do trabalho, a alavanca de 
reconforto e o aval da beneficência. Sempre que possas, troca a moeda que dispões pela 
felicidade dos semelhantes e, a breve tempo, reconhecerás a tua própria felicidade 
erguida em ti mesmo, a derramar-se, limpa e bela, de tuas próprias mãos.

Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Caridade. Ditado pelo Espírito Emmanuel. Capítulo 36. IDE. 

* * * Estude Kardec * * *

Nenhum comentário:

Postar um comentário