terça-feira, 25 de outubro de 2011

Não Matarás


Escrito por Milton Cezar Rosa   
Ter, 25 de Outubro de 2011 08:40

“Não matarás”

Mensagem de Nosso Lar


A vida que principia em tudo, numa forma universalizada, nas múltiplas moradas do Pai Altíssimo, redentoramente abençoada a se ascenderem na dimensionalidade evolutiva, na coorelacionalidade com Irmãos e toda a Vida que se expressa em si mesma, na existência inquestionavelmente abençoada por seu Criador.





A vida como a abrangente unilateralidade de se expandir espiritualmente, vislumbrando na oportunidade reencarnatoria, a dignificante jornada a prosseguir na individualizada escala evolutiva.

O imperialismo inquestionável de universos paralelos, que se infimiza ante uma multiplicidade de reinos, que não se abrange á mera materialidade existencial; na transcendental informação, que se transpõe á milênios, de que os seres em sua essência evoluem ininterruptamente, no amplo sentido de sua essência, que é ínfima, no transpor universos individualizados; em incessantes oportunidades de se ascender em si mesmo evolutivamente num aperfeiçoamento incessante.

Incoerente a estagnação que se firma na essência, ante a mera casualidade de invólucros, dos quais se despojam constantemente, no transcorrer de mundos os mais diversos e polarizados nas gloriosas bênçãos de um Criador.

Não matarás!
Não matarás explanou o Mestre e Senhor Jesus dignificando os mandamentos do Pai Altíssimo, no percorrer de seus próprios caminhos.

Não matarás sob toda a forma clamou o Mestre e Senhor Jesus!

Não matarás os sonhos de teus Irmãos, que transcendem em compreensão, á própria existência temporária, considerando-os erroneamente irreais, ante as próprias perspectivas ou assimilações tão restritas, da existência absoluta em ínfimas dimensões.

Não matarás o projeto individualizado de teus Irmãos, dos quais desconheces os reais propósitos ou a abençoada concepção, em ínfima misericórdia e bondade do Pai Altíssimo.

Não matarás na indiferença ao sofrimento pleno alheio, que se expressa diariamente, ante tua própria existência, ignorando-o e negando-se ao amparo fraterno.

Não matarás no consumismo exagerado do alimento que sobra no conforto do lar ou das futilidades que armazenas como tesouros, em despojos breves que aniquilam na fome e na miséria teus Irmãos na incessante escassez para com estes.

Não matarás o corpo que regela ao frio de teus Irmãos, nas vestes que aquecem inúteis apertados compartimentos de teu envaidecimento.

Não matarás a vida sob todas as formas, que se compartilham contigo numa ordem planetária, sendo primordial a coexistência de cada qual, seja o animal, vegetal ou o mineral que na terra tem seu fundamento.

Não matarás o ser que pulsa em si fluido vital e transpõe a própria existência simplesmente ansiando viver e evoluir, na animalidade inadmissível da ingestão prazerosa de um ser semelhante.

Não matarás o verso, a palavra, a literatura, o conhecimento, negando a instrução no que se expressa no incessante obrar de Irmãos, a transpor a cada qual, a sua própria experiência ou sabedoria, na grandiosa dádiva de simplesmente instruir com a própria vivência.

Não matarás a inocência, não somente na vã infantilidade de teus Irmãos, que anseiam simplesmente crescer e se fortalecer ante a sua própria evolução, mas na essência de cada vida em essenciais e individualizadas descobertas.

Não matarás a Criação do Pai Altíssimo. A água que brota das terras essenciais a nutrir a vida sob todas as formas. A luz que se expande forte em magnetismo e calor, essencial a soerguer cada ser em sua existenciabilidade. A natureza magnânima que se expõe harmoniosa em todas as direções na essenciabilidade não somente de nutrir, medicar, ou sustentabilizar toda a ordem planetária, porem na essencial purificação do ar essencial á existência, na mera incoerência de poluíres e degenerares o próprio ecossistema em que habitas.

Não matarás a veste física da qual necessitas para prosseguires absoluto. Ignorando-a e mutilando-a em suas necessidades vitais. Sobrecarregando-a de toxinas no que ingeres no alimento ou na bebida que dilacera a complexidade de órgãos vitais. Destruindo-a nos múltiplos exageros diários em penosos fardos não somente no esforço despendido, mas nos sentimentos arduamente carregados em negatividade que adoecem e enfermizam a matéria densa oportunamente essencial á continuidade.

Não matarás a fé que se expande em teus Irmãos, na própria incompreensão do que ante teus olhos se descortina em ínfimas maravilhas de um Criador absoluto.

Não matarás teus Irmãos aprisionando-os na descrença ou no desanimo de tua própria existência.

Não matarás teus Irmãos ou a Vida sob qualquer forma no que de ti não provem e nem por ti foi criado.

Não matarás, porque em verdade digo, que a liberdade á vida o é irrestrita a cada ser, na redentora benção concedida pelo Pai Altíssimo em todos os horizontes visíveis e invisíveis á percepção individualizada na própria existência em sua dimensão.

Vivam em imensa Paz Meus Irmãos!

Equipe Nosso Lar
Médium Maria

Nenhum comentário:

Postar um comentário