quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

OS DONS


 
Narra uma lenda de autor desconhecido que um homem entrou em uma loja e se aproximou do balcão.
 
Quem estava a atender era uma criatura maravilhosa. Tão bela que parecia uma fada, dessas saídas de um conto infantil.
 
O homem olhou para os lados e perguntou: O que é que você tem para vender?
 
Com um sorriso lindo, a jovem respondeu: Todos os dons.
 
O homem arregalou os olhos, manifestando interesse, e quis saber qual era o preço. Seria muito caro?
 
Não, foi a resposta. Aqui, nesta loja, tudo é de graça.
 
Ele olhou, maravilhado, jarros cheios de amor, vidros repletos de fé, pacotes de esperança e caixinhas de sabedoria.
 
Resolveu fazer o seu pedido: Por favor, quero muito amor, um vidro de fé, bastante felicidade para mim e toda a minha família.
 
Com presteza, a moça preparou tudo e lhe entregou um embrulho muito pequeno, que cabia na sua mão.
 
O homem se mostrou surpreso e perguntou outra vez:
 
Será possível? Está tudo aqui mesmo? É tão pequeno o embrulho!
 
Sorrindo sempre, a jovem falou: Meu querido amigo, nesta loja, onde temos todos os dons, não vendemos frutos. Concedemos apenas as sementes.
 
* * *
 
As sementes das virtudes se encontram em nós. Somos a loja dos dons. O que necessitamos é investir na semeadura.
 
Se desejamos que frutifique o amor, é preciso que nos disponhamos a amar. E o exercício começa quando executamos bem as tarefas que nos constituem dever. Prossegue no trato familiar, com pais, irmãos, cônjuges e se amplia no rol das amizades.
 
Depois, atravessa a cerca dos afetos e passa a agir entre aqueles que simplesmente encontramos na rua, no ônibus, no mercado, no banco.
 
A fé não é adquirida de rompante. Necessita ser pensada, estudada, reflexionada. O exercício inicia com a contemplação da natureza. Os dias frios, os dias quentes, o sol, a lua, as estrelas, as árvores que balançam ao vento e as flores multicoloridas nos jardins.
 
Alonga-se com a visão dos mundos, das coisas infinitamente pequenas e daquelas infinitamente grandes. A harmonia de tudo nos remete a uma confiança irrestrita, uma certeza inabalável que se chama fé.
 
A felicidade frutifica quando, plenos de amor e de fé, vivemos cada dia com intensidade, sem igual, saboreando cada minuto como se fosse o único, o último, o derradeiro.
 
* * *
 
Mudar é um ato de coragem. É a aceitação plena e consciente do desafio.
 
É trabalho árduo, para hoje. É trabalho duro, para agora.
 
E os frutos seguramente virão no amanhã, talvez não muito distante.
 
Mas, quando temos certeza de estar no rumo certo, a caminhada é tranquila.
 
Quando temos fé e firmeza de propósito é fácil suportar as dificuldades do dia-a-dia.
 
Pensemos nisso. Invistamos nas virtudes ainda hoje.
 
Redação do Momento Espírita, com base no cap. Dons, de autor desconhecido e no cap. É preciso sentir a mudança lá dentro, de R. Anatoli Oliynik, do livro Momentos de luz, organizado por Hiran Rocha, v. 1, ed. Kuarup.
 
Em 20.01.2012.
 
* * *
 
 
 
Com esta mensagem eletrônica
seguem muitas vibrações de paz e amor
para você

Nenhum comentário:

Postar um comentário