terça-feira, 24 de abril de 2012

Morte


Tudo que nasce, vive, morre e se transforma.

O corpo se organiza, tem o seu ciclo vital, desagrega-se e modifica as moléculas que o constituem, mediante o fenômeno da morte.

A morte é, portanto, acontecimento biológico, inevitável, para todas as formas vivas na Terra.

*

Considera a fragilidade orgânica na qual te movimentas, e, ao cair do dia, antes do repouso no lar, pensa na possibilidade de a perderes mediante a transformação pela morte.

O sono é uma quase desencarnação, e ninguém tem segurança se despertará na aparelhagem física no dia seguinte...

Faze uma avaliação do teu dia, busca retificar o em que te enganaste, reprograma as tuas atividades e vive com a retidão que caracteriza aquele que dispõe de pouco tempo, confiando no prosseguimento da vida após o transe.

*

Desenfaixa-te dos elos retentivos com a retaguarda, sempre que te sintas atado, recordando que a vida prossegue, e toda vinculação com os caprichos humanos representa sofrimento em programação.

Todos os momentos que passam, podem ser considerados adeuses.

Assim, avança para o amanhã, libertando-te, para alcançares o triunfo da tua imortalidade.

FRANCO, Divaldo Pereira. Episódios Diários. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL. Capítulo 50. 

* * * Estude Kardec * * *

Nenhum comentário:

Postar um comentário