quinta-feira, 12 de abril de 2012

Questões 52 a 54 - Diversidade das Raças Humanas Respostas dos Espíritos Superiores a Allan Kardec no Livro dos Espíritos.



Questões 52 a 54 - Diversidade das Raças Humanas
Respostas dos Espíritos Superiores a Allan Kardec no Livro dos Espíritos.

52. Donde provêm as diferenças físicas e morais que distinguem as raças humanas na Terra?

"Do clima, da vida e dos costumes. Dá-se aí o que se dá com dois filhos de uma mesma mãe que, educados longe um do outro e de modos diferentes, em nada se assemelharão, quanto ao moral."

53. O homem surgiu em muitos pontos do globo?

"Sim e em épocas várias, o que também constitui uma das causas da diversidade das raças. Depois, dispersando- se os homens por climas diversos e aliando-se os de uma aos de outras raças, novos tipos se formaram."

53a. Estas diferenças constituem espécies distintas?

"Certamente que não; todos são da mesma família. Porventura as múltiplas variedades de um mesmo fruto são motivo para que elas deixem de formar uma só espécie?"

54. Pelo fato de não proceder de um só indivíduo a espécie humana, devem os homens deixar de considerar-se irmãos?

"Todos os homens são irmãos em Deus, porque são animados pelo espírito e tendem para o mesmo fim. Estais sempre inclinados a tomar as palavras na sua significação literal."

KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 76.ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1995. 

* * * Estude Kardec * * *
....................................................................................................................................................................


Caridade, Doce Irmã


- Por que choras, meu anjinho, 
esfarrapado e sozinho, 
vagando de déu em déu? 

- Choro de dor e saudade, 
Pois sou filho da orfandade... 
Minha mãe foi para o Céu. 

- Que tens? 
- Sinto frio e fome, 
A angústia que me consome 
Parece nunca ter fim... 
A Ventura me escorraça, 
O Orgulho olha-me e passa 
Sem compaixão para mim! 

Minha mãe já não existe 
E, desde o momento triste 
Em que o Senhor ma levou, 
Não tenho a mão de um amigo; 
Pequeno e pobre mendigo - 
Eis agora o que hoje sou. 

- Vem comigo! 
- Oh! Quem me dera!... 
- Vem! Terás a primavera 
De doce e eterna manhã!... 
- Teu nome? Sonho ou verdade? 
- Eu me chamo Caridade. 
- Quem és tu? 
- Sou tua irmã.

XAVIER, Francisco Cândido. Jardim de Infância. Pelo Espírito João de Deus. FEB. Capítulo 14. 

* * * Estude Kardec * * *

Nenhum comentário:

Postar um comentário