sexta-feira, 11 de maio de 2012

Perto de Deus



Entre a alma, prestes a reencarnar na Terra, e o
Mensageiro Divino travou-se expressivo diálogo:

? Anjo bom ? disse ela ?, já fiz numerosas romagens
no mundo. Cansei-me de prazeres envenenados
e posses inúteis... Se posso pedir algo, desejaria agora
colocar-me em serviço, perto de Deus, embora deva
achar-me entre os homens...

? Sabes efetivamente a que aspiras? que responsabilidade
procuras? ? replicou o interpelado. ?
Quando falham aqueles que servem à vida, perto de
Deus, a obra da vida, em torno deles, é perturbada
nos mais íntimos mecanismos.

? Por misericórdia, anjo amigo! Dar-me-ás instruções...

? Conseguirás aceitá-las?

? Assim espero, com o amparo do Senhor.

? O Céu, então, conceder-te-á o que solicitas.

? Posso informar-me quanto ao trabalho que me
aguarda?

? Porque estarás mais perto de Deus, conquanto
entre os homens, recolherás dos homens o tratamento
que eles habitualmente dão a Deus...

? Como assim?

? Amarás com todas as fibras de teu espírito, mas
ninguém conhecerá, nem te avaliará as reservas de
ternura!... Viverás abençoando e servindo, qual se
carregasses no próprio peito a suprema felicidade e
o desespero supremo. Nunca te fartarás de dar e os
que te cercarem jamais se fartarão de exigir...

? Que mais?

? Dar-te-ão no mundo um nome bendito, como
se faz com o Pai Celestial; contudo, qual se faz igualmente
até hoje na Terra com o Todo-Misericordioso ,
reclamar-se-á tudo de ti, sem que se te dê coisa
alguma. Embora detendo o direito de fulgir à luz do
primeiro lugar nas assembléias humanas, estarás na
sombra do último... Nutrirás as criaturas queridas
com a essência do próprio sangue; no entanto, serás
apartada geralmente de todas elas, como se o mundo
esmerasse em te apunhalar o coração.Muitas vezes,
serás obrigada a sorrir, engolindo as próprias
lágrimas, e conhecerás a verdade com a obrigação de
respeitar a mentira... Conquanto venhas a residir no
regozijo oculto da vizinhança de Deus, respirarás no
fogo invisível do sofrimento!. ..

? Que mais?

? Adornarás as outras criaturas para que brilhem
nos salões da beleza ou nos torneios da inteligência;
entretanto, raras te guardarão na memória, quando
erguidas ao fausto do poder ou ao delírio da fama.
Produzirás o encanto da paz; todavia, quando os
homens se inclinem à guerra, serás impotente para
afastar-lhes o impulso homicida... Por isso mesmo,
debalde chorarás quando se decidirem ao extermínio
uns dos outros, de vez que te acharás perto do
Todo-Sábio e, por enquanto, o Todo-Sábio é o Grande
Anônimo entre os povos da Terra...

? Que mais?

? Todas as profissões no Planeta são honorificadas
com salários correspondentes às tarefas executadas,
mas o teu ofício, porque estejas em mais íntima associação
com o Eterno e para que não comprometas a
Obra da Divina Providência, não terá compensações
amoedadas. Outros seareiros da Vinha Terrestre serão
beneficiados com a determinação de horários especiais;
contudo, já que o Supremo Pai serve dia e noite,
não disporás de ocasiões para descanso certo, porquanto
o amor te colocará em permanente vigília!...
Não medirás sacrifícios para auxiliar, com absoluto
esquecimento de ti; no entanto, verás teu carinho e abnegação
apelidados, quase sempre, por fanatismo e
loucura... Zelarás pelos outros, mas os outros muito
dificilmente se lembrarão de zelar por ti... Farás o pão
dos entes amados...Na maioria das circunstâncias, porém,
serás a última pessoa a servir-se dos restos da mesa,
e, quando o repouso felicite aqueles que te consumirem
as horas, velarás, noite adentro, sozinha e esquecida,
entre a prece e a aflição... Espiritualmente, viverás
mais perto de Deus, e, em razão disso, terás por
dever agir com o ilimitado amor com que Deus ama...

? Anjo bom ? disse a Alma, em pranto de emoção
e esperança ?, que missão será essa?

O Emissário Divino endereçou-lhe profundo
olhar e respondeu num gesto de bênção:

? Serás mãe!...

XAVIER, Francisco Cândido. Estante da vida. Pelo Espírito Irmão X. FEB. Capítulo 13. 

* * * Estude Kardec * * *

Nenhum comentário:

Postar um comentário