quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Muito Se Pedirá Àquele que Muito Recebeu



O servo que souber da vontade do seu amo e que, entretanto, não estiver
pronto e não fizer o que dele queira o amo, será rudemente castigado. - Mas, aquele que
não tenha sabido da sua vontade e fizer coisas dignas de castigo menos punido será.
Muito se pedirá àquele a quem muito se houver dado e maiores contas serão tomadas
àquele a quem mais coisas se haja confiado. (S. LUCAS, cap. XII, vv. 47 e 48.)

Vim a este mundo para exercer um juízo, a fim de que os que não vêem
vejam e os que vêem se tornem cegos. - Alguns fariseus que estavam, com ele, ouvindo
essas palavras, lhe perguntaram: Também nós, então, somos cegos? - Respondeu-lhes
Jesus: Se fôsseis cegos, não teríeis pecados; mas, agora, dizeis que vedes e é por isso que
em vós permanece o vosso pecado. (S. JOÃO, cap. IX, vv. 39 a 41.)

Principalmente ao ensino dos Espíritos é que estas máximas se aplicam. Quem
quer que conheça os preceitos do Cristo e não os pratique, é certamente culpado; contudo,
além de o Evangelho, que os contém, achar-se espalhado somente no seio das seitas cristãs,
mesmo dentro destas quantos há que não o lêem, e, entre os que o lêem, quantos os que o não
compreendem! Resulta daí que as próprias palavras de Jesus são perdidas para a maioria dos
homens.

O ensino dos Espíritos, reproduzindo essas máximas sob diferentes formas,
desenvolvendo- as e comentando-as, para pô-las ao alcance de todos, tem isto de particular:
não é circunscrito: todos, letrados ou iletrados, crentes ou incrédulos, cristãos ou não, o
podem receber, pois que os Espíritos se comunicam por toda parte. Nenhum dos que o
recebam, diretamente ou por intermédio de outrem, pode pretextar ignorância; não se pode
desculpar nem com a falta de instrução, nem com a obscuridade do sentido alegórico. Aquele,
portanto, que não aproveita essas máximas para melhorar-se, que as admira como coisas
interessantes e curiosas, sem que lhe toquem o coração, que não se torna nem menos vão,
nem menos orgulhoso, nem menos egoísta, nem menos apegado aos bens materiais, nem
melhor para seu próximo, mais culpado é, porque mais meios tem de conhecer a verdade.

Os médiuns que obtêm boas comunicações ainda mais censuráveis são, se persistem
no mal, porque muitas vezes escrevem sua própria condenação e porque, se não os cegasse o
orgulho, reconheceriam que a eles é que se dirigem os Espíritos. Mas, em vez de tomarem
para si as lições que escrevem, ou que lêem escritas por outros, têm por única preocupação
aplicá-las aos demais, confirmando assim estas palavras de Jesus: "Vedes um argueiro no
olho do vosso próximo e não vedes a trave que está no vosso." (Cap. X, nº 9.)

Por esta sentença: "Se fôsseis cegos, não teríeis pecados", quis Jesus significar que a
culpabilidade está na razão das luzes que a criatura possua. Ora, os fariseus, que tinham a
pretensão de ser, e eram, com efeito, os mais esclarecidos da sua nação, mais culposos se
mostravam aos olhos de Deus, do que o povo ignorante. O mesmo se dá hoje.

Aos espíritas, pois, muito será pedido, porque muito hão recebido; mas, também, aos
que houverem aproveitado, muito será dado.

O primeiro cuidado de todo espírita sincero deve ser o de procurar saber se, nos
conselhos que os Espíritos dão, alguma coisa não há que lhe diga respeito.

O Espiritismo vem multiplicar o número dos chamados. Pela fé que faculta,
multiplicará também o número dos escolhidos.

KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. FEB. Capítulo 18. Livro eletrônico gratuito em http://www.febnet. org.br. 

* * * Estude Kardec * * *

Nenhum comentário:

Postar um comentário