terça-feira, 16 de outubro de 2012

Noites Escuras


ila_rendered

Noites Escuras




Sem dúvida, a vida e a obra de Madre Teresa de Calcutá são fontes de inspiração para todos os que objetivam o bem, a caridade e o amor.

Nascida na Albânia, em 26 de agosto de 1910, aos dezoito anos fez seus primeiros votos religiosos.

A serviço de sua congregação, foi enviada à Índia, como professora. Mais tarde, se tornaria assistente no Lar dos moribundos, em Kalighat.

Foi nessa instituição que teve o seu contato com atividades assistencialistas e, sobrepondo barreiras étnico-religiosas, recebeu donativos de hindus, muçulmanos e budistas para as obras de caridade.

Auxiliou crianças e idosos abandonados, mulheres grávidas, leprosos, aidéticos e uma infinidade de homens e mulheres necessitados.

Mais do que um curativo, um prato de comida, Madre Teresa trabalhava incessantemente em prol daqueles cuja esperança havia sido furtada e oferecia amor a todos aqueles que a sociedade marginalizava.

Merecidamente, recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1979, além do título de Doutora Honoris Causa em Medicina pela Universidade Católica Sagrado Coração, na Itália, e a Medalha Presidencial da Liberdade, nos Estados Unidos, em 1985.

Desencarnou em 1997, aos oitenta e sete anos, legando à Humanidade um grande exemplo de humildade e amor ao próximo.

O que poucas pessoas sabem é que Madre Teresa de Calcutá passou por um período de conflito em sua vida. Seus biógrafos costumam chamar de a noite escura de Madre Teresa.

Nesse período, em cartas enviadas a amigos e confidentes, ela revelou um profundo sentimento de vazio, de escuridão.

Numa de suas cartas escreveu: Há tanta contradição em minha alma, um profundo desejo de Deus. Um sofrimento contínuo e, com isso, o sentimento de não ser querida por Deus, vazia, sem fé, sem ânimo, sem zelo.

Pessoas que conviveram de forma mais íntima com Madre Teresa afirmam que ela superou seus conflitos e manteve, ainda com mais determinação, o anúncio do Evangelho do Cristo e o amor aos pobres.

Mais tarde, já bastante idosa, a discípula do amor foi questionada acerca de sua noite escura.

Ela respondeu, de forma bem humorada, que tais conflitos internos serviram de proteção diante de tanta exposição na mídia, de forma que não perdesse de vista seus objetivos, ou seja, o amor e a caridade.

Também com suas dúvidas existenciais Madre Teresa nos deixa valiosas lições. Mesmo diante de íntimos questionamentos, manteve-se firme em seus propósitos.

Nos momentos em que não conseguia administrar seu torvelinho interno de dúvidas, trabalhava mais e mais em prol do próximo.

E foi o próximo, o mais simples, o mais necessitado, que fez a ponte entre ela e as respostas que ardentemente desejava.

Da mesma maneira, muitas vezes passamos por noites escuras. Conflitos externos e internos que assolam nossas almas.

Jesus sentenciou: Faça aos outros tudo aquilo que gostaria que a ti fosse feito. Para encontrar respostas, Madre Teresa seguiu à risca tal recomendação. Teremos nós disposição suficiente para fazê-lo também?

Pensemos nisso!


 

Redação do Momento Espírita, com dados do
livro Madre Teresa venha, seja minha luz, de
Brian Kolodiejchuk, ed. Thomas Nelson.
Em 6.10.2012.
 

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/noites-escuras/#ixzz29Tfj17Mw

Nenhum comentário:

Postar um comentário