quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Fora do Corpo a Realidade é Outra


 






Fora do Corpo a Realidade é Outra

  As aparências físicas muitas vezes nos levam a um julgamento precipitado sobre todos os pontos de vista.

Ninguém está capacitado a julgar com exatidão quem é quem, mesmo quando os títulos terrenos referenciam a personalidade em questão.

  O mesmo acontece com os fatos e ocorrências do cotidiano; nem sempre aquilo que nos parece ser, é realmente o que julgamos.

–  Nesse contexto surgem:

  As tragédias,
  Os cataclismos,
  Os acidentes físicos e materiais,
  E toda uma série de acontecimentos que envolvem o ser humano desde os primórdios da criação.

Segundo Sócrates, todas as coisas têm o seu valor conforme quem observa, isso é o mesmo que dizer que cada coisa é segundo o entendimento de quem vê. É a lei da relatividade. Tudo é relativo ao grau de evolução de cada um.

  Sócrates chegou a essa conclusão porque tinha uma visão ampliada da vida, esta não se restringia a observar os fatos, as coisas e as pessoas apenas pela ótica material e física.

Suas observações transcendiam a esse plano limitado, abrangia o ser na sua natureza mais profunda. Analisou tudo com vistas a imortalidade da alma.

  Na obra de Platão, vemos varias citações de Sócrates diretas ou indiretas se referindo a imortalidade do espírito e a reencarnação, fato que levou Allan Kardec a elegê-lo como o precursor do Cristianismo e do Espiritismo.

Lembro-me quando um incêndio devorou em suas chamas um edifício em S. Paulo, promovendo a desencarnacão de muitas pessoas.

  Naquele momento trágico vi pela televisão o comandante do Corpo de Bombeiros afirmar:
–  Onde está Deus nesse momento?

Realmente, para quem vê somente o lado material e físico de um acontecimento, não imagina os benefícios que tal acontecimento está promovendo para dezenas de espíritos comprometidos com as leis de causa e efeito que, nesse acidente, gozaram da oportunidade de resgatarem a própria consciência atormentada.

  Soubemos pela mediunidade de Chico Xavier que muitos desses espíritos foram recebidos no mundo espiritual sob cânticos de vitória.

Tomando por base os mesmos princípios, e relacionando os acontecimentos do cotidiano com essa condição de espíritos eternos que somos, os valores dos acontecimentos e das coisas se alteram substancialmente e nem tudo é o que parece.

–  Por exemplo:

  Quem vê um excepcional preso ao leito de dor e desprovido da faculdade de se manifestar, julgará ao primeiro instante tratar-se de uma vida inútil, vegetativa e sem sentido.

Muitos afirmarão:
–  “Seria melhor que se evitasse tais nascimentos.”

Hoje com o avanço da Ciência os profissionais da medicina podem saber se o feto em formação será um excepcional. Parece até existir uma lei que permite o aborto nesses casos.

  Antes que os entusiastas dessa atitude contrária às leis da natureza, inflamem seus corações equivocados, seria de bom alvitre questionar qual as condições do espírito reencarnado nessa situação.

No intuito de esclarecer, transcrevemos a manifestação de um desses espíritos que, aproveitando um instante fora do corpo, escreveu através da minha aptidão mediúnica, uma carta para sua mãe e para todas as mães de excepcionais:

–  Mamãe,

  Num raro momento de felicidade retomei a consciência, e por alguns instantes libertei-me do corpo. Livre dos embaraços físicos, pedi a Deus a oportunidade de comunicar-me com você.

Sei o quanto sofre ao ver-me no corpo excepcional onde me abrigo como filho do seu coração, por isso, quis falar-lhe:

  Saiba, mãezinha querida, antes de receber-me carinhosamente em seu ventre, eu era apenas um náufrago nos mares espirituais do sofrimento. Você foi a praia que me acolheu devolvendo-me a segurança.

Não pense que se eu tivesse morrido ao nascer teria sido melhor para nós dois.

–  É um engano cruel:

  Pois o que mais importa para mim é viver!
  O seu amor é a força que pode prolongar-me a vida.

O corpo disforme que hoje sustenta-me a existência, representa para mim um tesouro de bênçãos onde reeduco o meu espírito, aprendendo a valorizar a vida que tantas vezes desprezei.

  Sei que sofre por eu não poder dar-lhe as alegrias de uma criança sadia, porém, reconforta-me saber que para as mães como você, Deus reserva as alegrias Celestiais!

  Ser mãe é missão natural das mulheres.
  Ser mãe de alguém como eu, é missão que Deus só entrega à mulheres especiais como você.

Vou retornar ao ao mundo espíritual, assim como uma ave retorna ao ninho onde se abriga das tempestades mas, antes, rogo a Deus que lhe abençoe, colocando nesta rogativa a força da gratidão de um filho que teve a felicidade de ter um Anjo como Mãe!

Nelson Moraes.

Ofereço essa mensagem a Sra, Eunice e ao seu filho Gean, que segundo ela é uma benção em sua vida.

Deus os abençoe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário