sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Visão Espírita sobre o Aborto




Constitui crime a provocação do aborto, em qualquer período da gestação?
“Há crime sempre que transgredis a lei de Deus. Uma mãe, ou quem quer que seja, cometerá crime sempre que tirar a vida a uma criança antes do seu nascimento, por isso que impede uma alma de passar pelas provas a que serviria de instrumento o corpo que se estava formando.”

Livro dos Espíritos - Questão 358
Assista ao vídeo.

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação." Chico Xavier - Emmanuel


Idealizações e Realizações

Idealizações e Realizações

"Muitas pessoas idealizam muitas transformações em si mesmas, mudanças necessárias para que se tornem melhores, aprimorando a qualidade de vida, movidas pelas vozes-alerta da própria consciência. Fazem listas de resoluções que, todavia, não são realizadas. A maioria, infelizmente, não passa da fase de idealização, sendo ainda poucas aquelas pessoas que chegam a realização.
...
Os processos do autoconhecimento e de autotransformação sempre surgem a partir de uma idealização em que o indivíduo busca o que quer pra sua vida. Porém da idealização para a realização há uma distância muito grande a ser percorrida. A realização é a ação para tornar real o ideal. Todos desejam mudar as suas vidas, por isso fazem idealizações, mas, repetimos, são ainda poucos aqueles que se esforçam para realizar aquilo que desejam.
...
Dizemos assim:
"um dia desses eu começo", "uma hora dessas eu começo", e como "nem um dia desses, nem uma hora dessas" existem no calendário ou no relógio, adiamo-nos indefinidamente.
...
O tempo é um verdadeiro tesouro. Se o utilizarmos bem, ele estará sempre a nosso favor. Se o utilizarmos mal, entraremos em um movimento muito comum, formando um círculo vicioso: por não o usarmos bem, mais tarde perderemos ainda mais tempo lamentando tê-lo perdido e não aproveitado as oportunidades.
...
É necessário se levantar e sair em busca daquilo que se quer. Para isso é importante ser verdadeiro consigo mesmo, perguntando-se: 
"-Eu quero realizar as mudanças em minha vida, verdadeiramente, ou quero ganhar uma vida com maior qualidade, somente porque a desejo?".
Como milagres só de intenção não existem, se ficarmos esperando acontecer para melhorar a vida pra melhor, vamos esperar em vão."

Texto adaptado de "Equilíbrio Existencial" (Alírio de Cerqueira Filho)

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação." Chico Xavier - Emmanuel

A Serpente e o Vaga-lume

A Serpente e o Vaga-lume

Conta a lenda que uma vez uma serpente começou a perseguir um vaga-lume. Este fugia rápido, com medo da feroz predadora e a serpente nem pensava em desistir.
Fugiu um dia e ela não desistia. Dois dias, e nada...
No terceiro dia, já sem forças, o vaga-lume parou e disse à cobra: 
- Posso lhe fazer três perguntas?
- Não costumo abrir esse precedente para ninguém, mas já que vou te devorar mesmo, podes perguntar...
- Pertenço a tua cadeia alimentar?
- Não.
- Eu te fiz algum mal?
- Não.
- Então, por que você queres acabar comigo?
- Porque não suporto ver-te brilhar...
- Autor Desconhecido -
* * *
É uma pena que no ocidente, graças à tradição Judaico-Cristã, a serpente seja sempre símbolo de traição, inveja e maldade. Ela não tem nada com isso. Ela apenas age de acordo com a sua natureza, que lhe foi dada por Deus, cumprindo a sua missão neste planeta. Se ela nos parece traiçoeira e malvada é porque nós a enxergamos assim, transferindo-lhe as qualidades que são nossas e que não somos capazes de admitir ou ver em nosso coração.
Apesar desse preconceito, a fábula vale pela reflexão. É bem triste constatar que ainda existam pessoas como a serpente desta história... O ideal seria que soubéssemos ajudar os outros a brilhar para que, assim, o nosso próprio brilho pudesse aumentar e servir de farol para outros tantos que ainda precisam de uma "estrela guia" à frente para saber o caminho a seguir.
Somos tão cegos em nosso orgulho e egoísmo que não percebemos que, ao invejar o brilho do outro, tentando impedi-lo de emitir sua luz, embotamos nosso próprio brilho, escondendo a nossa luz sob as trevas de nosso próprio ego. Não percebemos que também brilhamos, que em nós há a mesma luz e que só depende de nós fazê-la brilhar mais e mais longe e com mais intensidade, na medida em que colocamos o nosso brilho à disposição dos outros. Não entendemos que o nosso crescimento espiritual é diretamente proporcional ao crescimento espiritual dos que estão à nossa volta e que para crescermos é necessário que tudo o que está a nossa volta também cresça.
E o cúmulo da nossa ignorância é que não nos damos conta de que, por mais que a nossa luz seja abafada, por mais que nós a sabotemos com sentimentos pequenos, mesquinhos e egoístas, ela nunca deixa de brilhar. Deus não permite que ela se apague por completo, porque sabe que, mais cedo ou mais tarde, nós vamos despertar desse torpor doentio e vamos precisar dessa pequena faísca para saber por onde recomeçar.
Apesar de sermos nós os necessitados, é Deus que jamais perde a fé e a esperança em nós. Ele permanece sempre acreditando no nosso potencial, na nossa capacidade de vencer e no nosso discernimento para escolher o que é certo. Ele sabe que nada pode sobrepor-se à nossa natureza divina e espera incansavelmente pelo nosso despertar. Ele nunca nos abandona, muito embora nós mesmos, às vezes, façamos questão de virar-lhe as costas para reclamar e nos revoltar por achar que Ele nunca está por perto quando precisamos dEle.
Como crianças mimadas, não percebemos que Ele está sempre ali, no mesmo lugar, à mesma distância, bastando que nós mesmos nos viremos para nos aquecermos ao sol do seu amor infinito, evitando as sombras do nosso orgulho e o frio do nosso egoísmo.
O brilho de cada um é uma faísca do próprio brilho de Deus em suas criaturas. Cada vez que tentamos apagar o brilho de alguém, é contra o brilho de Deus que agimos. Cada vez que impedimos alguém de crescer, é contra a força de Deus em nós que agimos. Cada vez que sabotamos a felicidade de alguém, é a nossa própria felicidade que sabotamos, já que a fonte de toda a felicidade é uma só: o AMOR universal, DEUS.
Cada vez que deixamos a nossa serpente interna engolir o vaga-lume do próximo, é um farol a menos de que dispomos para iluminar a nossa estrada. Quando, na verdade, deveríamos sempre nos lembrar que, por menor que seja a luz do próximo, ela sempre poderá nos servir ao menos como a pequena chama bruxuleante que acende outra vela antes de se apagar.

- Maísa Intelisano -

Fonte: http://www.ippb.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2539:a-serpente-e-o-vaga-lume&catid=53:maisaintelisano&Itemid=165

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação." Chico Xavier - Emmanuel


Oração da Cura




Pai celestial, que habitais o meu interior, impregna com a Tua Luz vital cada célula de meu corpo, expulsando todos os males, pois estes não fazem parte de meu ser. Na minha verdadeira realidade, como filho de Deus perfeito que sou, não existe doença; por isso que se afaste de mim todo o mal, todos os bacilos, micróbios, vírus, bactérias e vermes nocivos, para que a perfeição se expresse no meu corpo, que é templo de Divindade.
Pai teu Divino filho Jesus disse: pedi e recebereis, porque todo aquele que pede recebe, portanto, tenho absoluta certeza de que a minha oração da cura já é a própria cura. Para mim agora, só existe esta verdade: a cura total. Mesmo que a imagem do mal permaneça por algum tempo no meu corpo, só existe em mim agora a imagem mental da cura e a verdade da minha saúde perfeita.
Todas as energias curadoras existentes em mim estão atuando intensamente, como um exército poderoso e irresistível, visando os inimigos, fortalecendo as posições enfraquecidas, reconstruindo as partes demolidas, regenerando todo o meu corpo. Sei que é o poder de Deus agindo em mim e realizando o milagre maravilhoso da cura perfeita.
Esta é a minha verdade mental. Esta portanto é a verdade do meu corpo.
Agradeço-te, óh! pai, porque Tu ouvistes a minha oração.
Dou-te graças, com toda alegria e com todas as forças interiores porque tua vontade de perfeição e saúde aconteceram em mim, em resposta ao meu pedido.
Assim é e assim será.
Dr. Manoel Dantas

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação." Chico Xavier - Emmanuel


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Lágrimas no Céu




"Tears in Heaven" (Lágrimas no céu) é uma música escrita por Eric Clapton e Will Jennings que fala da dor que Clapton sentiu com a morte de seu filho de quatro anos, Conor Clapton, que caiu do 53° andar, da janela do apartamento de seu amigo, em 20 de março de 1991. Clapton, que chegou no apartamento logo após o acidente, ficou visivelmente perturbado após o ocorrido. Este foi um dos maiores sucessos de Clapton, chegando ao 1° lugar na Billboard dos EUA.
Em uma entrevista, Clapton declarou: "Eu quase que inconscientemente usei a música para mim mesmo como um agente de cura, e funcionou".

torre Eiffel

Eric Clapton e seu filho Conor.

Letra:
Você saberia o meu nome, se eu o encontrasse no céu?
Seria a mesma coisa se eu o visse no céu?
Eu tenho que ser forte e continuar,
Porque eu sei que não pertenço ao céu.

Você seguraria a minha mão, se eu o encontrasse no céu?
Você me ajudaria a ficar em pé, se eu o encontrasse no céu?
Eu encontrarei o meu caminho de noite e de dia.
Porque eu sei, que não posso ficar aqui no céu.

O tempo pode te derrubar, o tempo pode dobrar seus joelhos.
O tempo pode quebrar seu coração, você estava implorando por favor, implorando
por favor.

Além da porta há paz eu tenho certeza,
E eu sei que não haverá mais lágrimas no céu.

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação." Chico Xavier - Emmanuel


Não Deixe para Depois

Não Deixe para Depois

O pai de família chegou em casa e se sentou à mesa com as contas do mês a pagar, e algumas já vencidas, quando seu filhinho, cheio de alegria, entrou correndo na sala e disse com entusiasmo:
Feliz aniversário, papai! Mamãe disse que você está completando cinquenta e cinco anos hoje, por isso eu vou lhe dar cinquenta e cinco beijos, um para cada ano.
O garoto começou a fazer o que prometera, quando o pai exclamou:
Oh! Filho, agora não! Estou tão ocupado!
O menino fez silêncio imediato. Mas o seu gesto chamou a atenção do aniversariante.
Olhando-o, o pai percebeu que havia lágrimas em seus grandes olhos azuis.
Desculpando-se, disse ao filho: Você pode terminar amanhã.
O menino não respondeu e não foi capaz de disfarçar o seu desapontamento, enquanto se afastava.
Naquela mesma noite o pai lhe falou: Venha cá e termine de me dar seus beijos agora, filho.
Ou ele não ouviu ou não estava mais com vontade, pois não atendeu ao pedido.
Dois meses depois, um acidente levou o garoto. Seu corpo foi sepultado num pequeno cemitério, perto do lugar onde ele gostava de brincar.
Aquele pai constantemente se sentava ao lado do túmulo do seu pequeno e, observando a natureza, pensava consigo mesmo:
O canto do sabiá não é mais doce que a voz do meu filho, e a rolinha que canta para os seus filhotes não é tão gentil como o menininho que deixou de completar a sua declaração de amor.
Ah! Se eu pudesse ao menos lhe dizer como me arrependo daquelas palavras impensadas, e como o meu coração está doendo agora por causa de minha falta de delicadeza.
Hoje eu fico aqui sentado, pensando em como pude não retribuir seu afeto, e entristeci seu pequeno coração, cheio de ternura.

* * *

Às vezes, por motivos banais, deixamos passar oportunidades únicas, que jamais se repetirão em nossas vidas.
São momentos em que uma distração qualquer nos afasta do abraço afetuoso de um ser querido...
Um compromisso, que poderíamos adiar, nos impede de ficar um pouco mais com alguém que nos deixará em breve...
Depois, como aconteceu ao pai que recusou os beijos do filho, só resta a dor do arrependimento.
E essa dor é como um fogo que queima sem consumir.
E não é necessário que a pessoa a quem negamos nossa atenção seja arrebatada pela morte, para que sintamos o desconforto do arrependimento.
Quantos filhos deixam de procurar os pais, por falta de atenção, e se vão, em busca de alguém que ouça seus desabafos ou responda suas perguntas.
Quantas esposas se fecham no mutismo, depois de várias tentativas de diálogo com o companheiro indiferente ou frio.
Quantos esposos se isolam, após tentativas frustradas de entendimento.
Por todas essas razões, vale a pena prestar atenção nos braços que se distendem para um abraço, os lábios que se dispõem para um beijo, as mãos que se oferecem para um carinho.

* * *

Um gesto de ternura deve ser sempre bem recebido, mesmo que estejamos sobrecarregados, cansados, sem vontade de atender.
Uma demonstração de amor é sempre bem-vinda, para dar novo colorido às nossas horas, ao nosso dia a dia, às nossas lutas.
O amor, quando chega, dissipa as trevas, clareia o caminho, perfuma o ambiente e refaz o ânimo de quem lhe recebe a suave visita.
Pense nisso!

Redação do Momento Espírita

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação." Chico Xavier - Emmanuel


O Espiritismo responde

Nova publicação em Centro Espírita Amor e Caridade Santarritense

O Espiritismo responde

by ceacgallo
duvida2
Qual é a diferença entre prova e expiação?
Ensina o Espiritismo que os Espíritos não ocupam perpetuamente a mesma categoria e que todos se melhoram passando pelos diferentes graus da hierarquia espírita.
Essa melhora se efetua por meio da reencarnação. A vida material é uma prova que lhes cumpre sofrer repetidamente, até que hajam atingido a absoluta perfeição moral (LE, Introdução, item VI).
Provas são, assim, testes, oportunidades de aquisição de experiência, dificuldades que nada têm a ver com equívocos ou erros cometidos no passado. Riqueza, beleza, vida fácil, tanto quanto pobreza, feiúra, vida difícil são provas.
Expiação decorre de faltas cometidas pelo Espírito. Segundo a questão 998 d´O Livro dos Espíritos, a expiação se cumpre durante a existência corporal mediante as provas a que o Espírito se acha submetido e, na vida espiritual, pelos sofrimentos morais, inerentes ao estado de inferioridade do Espírito.
Assim é que o mau rico, por expiação, poderá vir a ter de pedir esmola e se verá a braços com todas as privações oriundas da miséria; o orgulhoso, com todas as humilhações; o que abusa de sua autoridade e trata com desprezo e dureza seus subordinados se verá forçado a obedecer a um superior mais ríspido do que ele o foi, e assim por diante. "Aquele que matar com a espada será vítima da espada", eis um ensinamento de Jesus que ninguém ignora.
Na questão 262, “a”, da obra citada, os imortais informam que Deus jamais apressa a expiação e só a impõe ao Espírito que, pela sua inferioridade ou má-vontade, não se mostra apto a compreender o que lhe seria mais útil, e quando tal existência serve para sua purificação e progresso.
ceacgallo | 17/11/2013 às 10:26 PM | Categorias: artigos | URL:http://wp.me/p1hFkH-1uK

Prece de Gratidão




Senhor, muito obrigado, pelo que me deste, pelo que me dás!
pelo ar, pelo pão, pela paz!
Muito obrigado, pela beleza que meus olhos vêem no altar da natureza.
Olhos que contemplam o céu cor de anil, e se detém na terra verde, salpicada de flores em tonalidades mil!
Pela minha faculdade de ver, pelos cegos eu quero interceder, por aqueles que vivem na escuridão e tropeçam na multidão, por eles eu oro e a Ti imploro comiseração, pois eu sei que depois dessa lida, numa outra vida, eles enxergarão!
Senhor, muito obrigado pelos ouvidos meus.
Ouvidos que ouvem o tamborilar da chuva no telheiro, a melodia do vento nos ramos do salgueiro, a dor e as lágrimas que escorrem no rosto do mundo inteiro.
Ouvidos que ouvem a música do povo, que desce do morro na praça a cantar.
A melodia dos imortais que a gente ouve uma vez e não se esquece nunca mais.
Diante de minha capacidade de ouvir,
pelos surdos eu te quero pedir, pois eu sei, que depois desta dor, no teu reino de amor, eles voltarão a ouvir!
Muito obrigado Senhor, pela minha voz!
Mas também pela voz que canta, que ensina, que consola.
Pela voz que com emoção, profere uma sentida oração!
Pela minha capacidade de falar, pelos mudos eu Te quero rogar, pois eu sei que depois desta dor, no teu reino de amor, eles também cantarão!
Muito obrigado Senhor, pelas minhas mãos, mas também pelas mãos que aram, que semeiam, que agasalham.
Mãos de caridade, de solidariedade. Mãos que apertam mãos.
Mãos de poesias, de cirurgias, de sinfonias, de psicografias, mãos que numa noite fria, cuida ou lava louça numa pia.
Mãos que a beira de uma sepultura, abraça alguém com ternura, num momento de amargura.
Mãos que no seio, agasalham o filho de um corpo alheio, sem receio.
E meus pés que me levam a caminhar, sem reclamar.
Porque eu vejo na Terra amputados, deformados, aleijados...e eu posso bailar!!...
Por eles eu oro, e a ti imploro, porque eu sei que depois dessa expiação, numa outra situação,
eles também bailarão.
Por fim Senhor, muito obrigado pelo meu lar!
Pois é tão maravilhoso ter um lar...
Não importa se este lar é uma mansão, um ninho, uma casa no caminho, um bangalô, seja lá o que for!
O importante é que dentro dele exista a presença da harmonia e do amor!
O amor de mãe, de pai, de irmão, de uma companheira...
De alguém que nos dê a mão, nem que seja a presença de um cão, porque é tão doloroso viver na solidão!
Mas se eu ninguém tiver, nem um teto para me agasalhar, uma cama para eu deitar, um ombro para eu chorar, ou alguém para desabafar..., não reclamarei, não lastimarei, nem blasfemarei.
Porque eu tenho a Ti!
Então muito obrigado porque eu nasci!
E pelo teu amor, teu sacrifício, tua paixão por nós,
Muito obrigado Senhor!

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação." Chico Xavier - Emmanuel


Necessário e Dispensável…

Nova publicação em Centro Espírita Amor e Caridade Santarritense

Necessário e Dispensável…

by ceacgallo
frase-sabei-escusar-o-superfluo-e-nao-vos-faltara-o-necessario-marques-de-marica-107772
O consumismo atual responde por muitos problemas.
As indústrias do supérfluo apresentam no mercado da vacuidade um sem-número de produtos desnecessários, que aturdem os indivíduos.
Estimulados pela propaganda bem elaborada, desejam comprar, mesmo sem poder, o que vêem, o que lhes é apresentado, numa volúpia crescente.
Objetos e máquinas que são o último modelo, em pouco tempo passam para o penúltimo lugar, até ficarem esquecidos em armários ou depósitos de coisas sem valor.
No entanto, se não fossem adquiridos, naquela ocasião, a vida perderia o sentido para quem os não comprasse.
Consumismo é fantasia, transferência do necessário para o secundário.
O consumidor que não reflete antes de adquirir, termina consumido pelas dívidas que o atormentam.
*
Muita gente faz compras, por mecanismos de evasão.
Insatisfeitas consigo mesmas, fogem adquirindo coisas mortas, e mais se perturbando.
Enquanto grande número de indivíduos se afogam no oceano do supérfluo, multidões inteiras não possuem o indispensável para uma vida digna.
Abarrotados, uns, com coisas nenhumas, e outros vitimados por terrível escassez.
São os paradoxos do século e do comportamento materialista-utilitarista da atualidade.
*
Confere a necessidade legítima, antes de te permitires o consumismo.
Coisas de fora não equacionam estados íntimos. Distraem a tensão por um momento, sem que operem real modificação interior.
Quando o excesso te visite, reparte-o com a escassez ao teu lado.
Controla e dirige a tua vontade, a fim de não seres uma vítima a mais do tormento consumista.
FRANCO, Divaldo Pereira. Episódios Diários. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL. Capítulo 25.
ceacgallo | 17/11/2013 às 10:32 PM | Categorias: artigos | URL:http://wp.me/p1hFkH-1uM

O Poder da Fé




O poder da fé
Tenho fé
em tudo o que faço
por isso tudo para mim da certo.

Perguntamos para a espiritualidade o que é a fé,
eles nos responderam dizendo
que a fé é a vitória que venceu o mundo,
com fé não há pergunta
sem fé não há resposta.

Mas a fé tem um outro sentido muito importante
ela promove com o encontro de si mesmo
por motivo das nossas imperfeições
ainda não temos a consciência da importância desse encontro,
os benfeitores tem dito
que nos últimos tempos aprovação que mais têm assolado a humanidade
é a falta de objetivo.

Deparamos com tantos irmãos nossos
perdidos no tempo e no espaço da própria vida.
De um modo geral o 'progresso material dos homens facilitou tanto as coisas
mas de repente as pessoas têm tudo
e no mesmo instante não tem nada
porque perdem facilmente o sentido das coisas
na verdade.

É a fé que liga o encontro de si mesmo,
e é esse encontro que dá sentido a tudo,
desde as coisas mais pequenas até as maiores
a fé tem um outro papel muito importante na nossa caminhada
ela é o manto que esta sempre nos protegendo amparando
existem tantas pessoas que tem uma família numerosa
lida com tanta gente a ponto de se estressar
e no meio de tanta gente
se sentem desamparados,
desprotegidos.

Na verdade
o que nos garante amparo e proteção
é a nossa própria fé.
Tem momentos em que nós questionamos
a mas é muito difícil manter a fé e como jesus pede
essa coisa de se mover a montanha de um lado para o outro
os benfeitores nos ensinam,
que Deus não exige de nós uma fé deste tamanho
até mesmo porque ele melhor do que ninguém,
conhece a nossa capacidade
mas ele espera que todos nós
uma fé suficiente,
para escalar a própria montanhas da vida,
que é a montanha das dificuldades,
dos sofrimentos,
através da fé
possamos subi-la sem revoltas,
sem tantas reclamações
e sim com mais amor e paz no coração.

Jesus fala também da fé
de desenraizar o sicômoro
ainda não temos essa capacidade de Jesus
mas Deus espera que nós tenhamos a fé suficiente
a fim de desenraizar todos os dias
um pouco das nossas imperfeições
que são
egoísmo,
orgulho,
ganância e vaidade
na vida passamos por vários desencontros
perdas
mas quando estamos com o coração cheio de fé
recuperamos o dobro
o que não podemos perder de forma alguma
é a nossa fé
a criatura sem fé
é como um veículo sem combustível
é um viajante sem rumo
é como alguém que luta sem esperança de vitória
por isso irmãos
tenham bastante fé,
e sigam em paz,
o teu caminho.

Que assim seja.

"A maior caridade que podemos fazer pela Doutrina Espírita é a sua divulgação." Chico Xavier - Emmanuel