terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Nova publicação em Centro Espírita Amor e Caridade Santarritense

Nova publicação em Centro Espírita Amor e Caridade Santarritense

O Espírito e a Matéria

by ceacgallo
matériaeespirito
Se a matéria existe desde toda a eternidade, como Deus, ou foi criada por Ele em dado momento, só Deus o sabe. Há uma coisa, todavia, que a razão deve indicar: é que Deus, modelo de amor e caridade nunca esteve inativo. Por mais distante que logremos imaginar o início de Sua ação, não conseguiremos concebê-Lo ocioso, um momento que seja.
 
Define-se geralmente a matéria como sendo - o que tem extensão, o que é capaz de nos impressionar os sentidos, o que é impenetrável, ou ainda, matéria é tudo o que tem massa e ocupa um lugar no espaço, ou seja, possui volume, ex.: madeira, ferro, água, areia, ar, etc. Do nosso ponto de vista, como encarnado, estas definições são exatas, porque só podemos falar do que conhecemos. Mas a matéria existe em estados que ignoramos. Pode ser, por exemplo, tão etérea e sutil que nenhuma impressão nos cause aos sentidos. Contudo, é sempre matéria. Para os espíritos, porém, não o seria. A definição que podemos dar da matéria é de que ela é o laço (1) que prende o Espírito; é o instrumento de que este se serve e sobre o qual, ao mesmo tempo, exerce sua ação. Deste ponto de vista, pode dizer-se que a matéria é o agente, o intermediário com o auxílio do qual e sobre o qual atua o Espírito.
 
O espírito (alma) é o princípio inteligente do Universo (2).
 
Não é fácil analisar a natureza íntima do espírito, com a nossa linguagem, por não ser palpável, entretanto, para os Espíritos desencarnados é alguma coisa. É útil frisar que coisa nenhuma é o nada e o nada não existe.
 
A inteligência é um atributo essencial do espírito, porém, ambos se confundem num princípio comum, de sorte que, para nós, parecem que são a mesma coisa.
 
O espírito e a matéria são distintos um do outro, mas, a união de ambos é necessária para o espírito intelectualizar a matéria.
 
Essa união é igualmente necessária para a manifestação do espírito, (Aqui deve-se entender por espírito o princípio da inteligência, abstração feita das individualidades que por esse nome se designam.) porque não temos uma organização apta a perceber o espírito sem a matéria, ou seja, nossos sentidos não são apropriados para perceber o espírito.
 
Poder-se-á conceber o espírito sem a matéria e a matéria sem o espírito pelo pensamento.
 
Há então dois elementos gerais do Universo: a matéria e o Espírito e acima de tudo Deus, o criador, o pai de todas as coisas. Deus, espírito e matéria constituem o princípio de tudo o que existe, a trindade universal. Mas ao elemento material tem que se juntar o fluido universal, que desempenha o papel de intermediário entre o Espírito e a matéria propriamente dita, por demais grosseira para que o espírito possa exercer ação sobre ela. Embora, de certo ponto de vista, seja lícito classificá-lo com o elemento material, ele se distingue deste por propriedades especiais. Se o fluido universal fosse positivamente matéria, razão não haveria para que também o espírito não o fosse. Está colocado entre o espírito e a matéria; é fluido, como a matéria, e suscetível, pelas suas inumeráveis combinações com esta e sob a ação do espírito, de produzir a infinita variedade das coisas de que apenas conhecemos uma parte mínima. Esse fluido universal, ou primitivo, ou elementar, sendo o agente de que o Espírito se utiliza, é o princípio sem o qual a matéria estaria em perpétuo estado de divisão e nunca adquiriria as qualidades que a gravidade lhe dá. Esse fluido é suscetível de inúmeras combinações. O que chamamos fluido elétrico, fluido magnético, são modificações do fluido universal, que não é, propriamente falando, senão matéria mais perfeita, mais sutil e que podemos considerar independente.
 
Um fato patente domina todas as hipóteses: vemos matéria destituída de inteligência e vemos um princípio inteligente que independe da matéria. A origem e a conexão destas duas coisas nos são desconhecidas. Se promanam ou não de uma só fonte; se há pontos de contato entre ambas; se a inteligência tem existência própria, ou se é uma propriedade, um efeito; se é mesmo, conforme a opinião de alguns, uma emanação da Divindade, ignoramos. Elas se nos mostram como sendo distintas; daí o considerarmo-las formando os dois princípios constitutivos do Universo. Vemos acima de tudo isso uma inteligência que domina todas as outras, que as governa, que se distingue delas por atributos essenciais. A essa inteligência suprema é que chamamos Deus.
 
O Livro dos Espíritos, Cap. II, Elementos Gerais do Universo, Livro primeiro, qq. 21 à 28. Obra codificada por Allan Kardec
ceacgallo | 05/02/2014 às 10:59 PM | Categorias: artigos | URL:http://wp.me/p1hFkH-1Cn



Nova publicação em Centro Espírita Amor e Caridade Santarritense

6212

by ceacgallo
521789_449422518471394_1498262632_n
ceacgallo | 04/02/2014 às 12:54 AM | Categorias: artigos | URL:http://wp.me/s1hFkH-6212


Nova publicação em Centro Espírita Amor e Caridade Santarritense

Convite a Sementeira

by ceacgallo
sement
"A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos." (Lucas: capítulo 10º, versículo 2.)
Desdobra-se, imenso, o campo a semear... A generosa gleba aguarda arroteamento e preparação.
As sementes são a palavra do Senhor, férteis e nobres, em seu potencial libertador.
Há, no entanto, outras sementes que têm recebido a preferência dos homens.
Todos somos semeadores.
Exemplos geram lições, palavras propõem conceitos, pensamentos elaboram idéias.
Estamos sempre diante de professores, cercados por aprendizes.
A vida social, desse modo, é decorrência dos impositivos geradores dos hábitos que se destacam. Assim, em qualquer circunstância o homem semeia.
Infelizmente, na gleba da atualidade as sementes utilizadas têm-se apresentado deficientes, propiciando valores degenerados.
Por isso, há poder e inquietação, facilidades e neuroses. O desespero segue cavalgando a anarquia e as distonias emocionais avançam comandando grupos humanos.
Mergulha a mente na reflexão e fita a paisagem colorida dos homens. Mesmo ao sol vê-los-ás tristes e quando sorrindo, ei-los assinalados por esgares...
Não adies a oportunidade, convidado como te encontras para o ministério de reverdescer a terra e tornar-te semeador de bênçãos e de paz, em nome do Excelso Semeador.

FRANCO, Divaldo Pereira. Convites da Vida. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. LEAL. Capítulo 53.
ceacgallo | 04/02/2014 às 12:53 AM | Categorias: artigos | URL:http://wp.me/p1hFkH-1C8


Nova publicação em Centro Espírita Amor e Caridade Santarritense

Examinemos a Nós Mesmos

by ceacgallo
refletir.jpg w=620
"O dever do espírita-cristão é tornar-se progressivamente melhor.
Útil, assim, verificar, de quando em quando, com rigoroso exame pessoal, a nossa verdadeira situação íntima.
Espírita que não progride durante três anos sucessivos permanece estacionário.
- Testa a paciência própria: Estás mais calmo, afável e compreensivo?
- Inquire as tuas relações na experiência doméstica: Conquistaste mais alto clima de paz dentro de casa?
- Investiga as atividades que te competem no templo doutrinário: - Colaboras com mais euforia na seara do Senhor?
- Observa-te nas manifestações perante os amigos: Trazes o Evangelho mais vivo nas atitudes?
- Reflete em tua capacidade de sacrifício: Notas em ti mesmo mais ampla disposição de servir voluntariamente?
- Pesquisa o próprio desapego: Andas um pouco mais livre do anseio de influência e de posses terrenas?
- Usas mais intensamente os pronomes "nós", "nosso" e "nossa" e menos os determinativos "eu", "meu" e "minha"?
- Teus instantes de tristeza ou de cólera, surda, às vezes tão conhecidas somente por ti, estão presentemente mais raros?
- Diminuíram-te os pequenos remorsos ocultos no recesso da alma?
- Dissipaste antigos desafetos e aversões?
- Superas-te os lapsos crônicos de desatenção e negligência?
- Estudas mais profundamente a Doutrina que professas?
- Entendes melhor a função da dor?
- Ainda cultivas alguma discreta desavença?
- Auxilias aos necessitados com mais abnegação?
- Tens orado realmente?
- Teus ideais evoluíram?
- Tua fé raciocinada consolidou-se com mais segurança?
- Tens os verbo mais indulgente, os braços mais ativos e as mãos mais abençoadoras?
- Alegria é Evangelho no coração: - Estás de fato, mais alegre e feliz intimamente, nestes três últimos anos?
Tudo caminha! Tudo evolui! Confiramos os nosso rendimento individual com o Cristo!
Sopesa a existência hoje, espontaneamente, em regime de paz, para que não te vejas na obrigação de sopesá-la amanhã sob o impacto da dor.
Não te iludas! Um dia que se foi é mais uma cota de responsabilidade, mais um passo rumo à Vida Espiritual, mais uma oportunidade valorizada ou perdida.
Interroga a consciência quanto à utilidade que vens dando ao tempo, à saúde e aos ensejos de fazer o bem que desfrutas na vida diária.
Faze isso agora, enquanto te vales do corpo humano, com a possibilidade de reconsiderar diretrizes e desfazer enganos facilmente, pois, quando passares para o lado de cá, muita vez, já será mais difícil...
XAVIER, Francisco Cândido; VIEIRA, Waldo. Opinião Espírita. Pelos Espíritos Emmanuel e André Luiz. CEC.
ceacgallo | 03/02/2014 às 1:11 PM | Categorias: artigos | URL:http://wp.me/p1hFkH-1C4

Nenhum comentário:

Postar um comentário